Poemas e poesias

Restos

Quando eu sinto vontade de te escrever, as palavras me vêm assim, tentando sair das entranhas.  Não como o sibilar do vento, que sossegado anda vadio por essas vielas. Mas como o mais frio dos projéteis. Rápidos, imprecisos, desordenados, assim como ficam as minhas ideias, quando ainda lembro de nós. As palavras se excedem dentro da minh’alma, e tentam escorrer como que implorando pra se esvaírem. São excessos, restos de coisas que precisavam sair.

Mas quantas são as coisas que te escrevi, e que nunca te mandei, e nem nunca vou mandar. No máximo vão ficar empoeiradas dentro d’uma caixa velha e barata, esperando guardar um dia alguma lembrança tua, feito um cartão-postal. Sabe que tenho ouvido muito a nossa música? Ela me faz lembrar de quando eu me despedi de você no meu apartamento já vazio, com as mudanças todas encaixotadas. Em meio a muita poeira, com a minha cabeça deitada no seu peito, eu me vi perdida. “Será que eu nunca mais vou te ver?”, pensei, – tão sábia.

Mas vou deixar de divagar, afinal, vamos estar sob o céu da mesma cidade por alguns dias, e se eu te vir, sei que você vai estar com um cigarro na mão, e com outra garota n’outra
uma que não te gosta assim, como eu te gostei tanto.

 

 

Anúncios
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s